Amélias?

Belas, recatadas e do lar? Nossa sociedade está fundada em profundas raízes patriarcais, as quais dão às mulheres o papel de ficar em casa, no ambiente privado, responsáveis pelo trabalho doméstico.

A isto soma-se nosso recente passado escravocrata, em que mulheres negras eram escravizadas para cuidar da casa do senhorio. Esse é um dos fatores que explica o porquê do trabalho doméstico no Brasil ser tão invisibilizado, não reconhecido e mal remunerado.

A ascensão da ultradireita no Brasil traz desafios ainda maiores para a emancipação feminina, haja vista, por exemplo, que Jair Bolsonaro, quando era deputado, foi o único que votou contra os direitos trabalhistas das empregadas domésticas.

Medidas como a Reforma da Previdência e a Emenda Constitucional 95, que inviabiliza o crescimento das políticas sociais como educação infantil, saúde e cuidado com idosos, colocam em perspectiva a volta de muitas mulheres aos lares, empurradas pelo desemprego e pelo trabalho precário.

É necessário ressignificarmos a responsabilidade com as tarefas domésticas e o papel das mulheres na sociedade. Pra falar sobre essa realidade, nós escalamos um time de primeira! Convidamos para essa prosa Aline Hack, do podcast Olhares, e Jordana Cristina de Jesus, demógrafa e professora da UFRN.

Além disso, Celso das Chave conta pra gente sobre seu transtorno obsessivo compulsivo em arrumar e manter organizadas suas coisas. Ninguém mexe na mesa desse homem! Socorrrr

Ficha técnica

Apresentação e Roteiro: Amélia Gomes e Marcelo Pereira. Edição: Amélia Gomes. Logo do Granma: Tiago de Macedo Rodrigues. Capa: Marcelo Pereira.

Dica da Aline: Flávia Biroli e Luis Felipe Miguel. Feminismo e política: uma introdução. Editora Boitempo, 2014.

Conheça o podcast Olhares

Mande uma cartinha pra nós: contato@granma.com.br

2 respostas para “Amélias?”

  1. Essa iniciativa é muito importante. Apesar das lutas,considero a vitória das mulheres difícil. E é muito difícil sair para a luta com trabalho de cuidados com crianças e idosos. E é muito pesado. E é triste idosos doentes. Sente-se como prisão domiciliar. Precisamos de projetos para resolver esta questão. E não é só colocar em abrigos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *